Como Fazer

Cursos e Palestras | Artigos | Ferramentas | Engenhocas | Tutoriais | Redes Sociais | Galerias

Curtir no FacebookFazer fotografias panorâmicas da esfera visual completa é um pouco complicado. Você pode contratar alguém para fazer para você (eu por exemplo 🙂 ) ou pode aprender a fazer. Ao aprender vai ver que é possível dispender algumas horas até chegar ao resultado esperado. A montagem inicial pode ser rápida. Numa palestra de uma hora já consegui fazer a introdução ao assunto e montar uma preliminar da foto, mas pode esperar gastar umas 3 horas para fazer todo o acabamento necessário e ainda publicar a foto. E esse tempo é o que vai dispender se tiver boa experiência com o assunto.

Tenho construído aos poucos um manual mais completo e além dele tem abaixo materiais que usei em cursos e palestras que já ministrei. Material usado em apresentações nunca é tão didático, pois em geral é apenas um guia para o que vai se falar ao vivo. Uma boa dica é se cadastrar no Panofórum pra tirar suas dúvidas e se perceber pontos dos materiais que fiz que podem ser melhorados peço que me digam.

VISITE O PANO FÓRUM!

Material de cursos e palestras

Artigos Publicados

Tutoriais, manuais e afins

Ferramentas de Software

Ferramentas de software livre (gratuitas e com código fonte disponível para modificações)

  • Enblend e Enfuse – ferramenta para fundir fotos. Usadas pelo Hugin
  • Hugin – a ferramenta que uso para montagem inicial das 360 – é a que uso
  • Panotools Scripts – scripts que auxiliam algumas partes do processo, uso para o formato cúbico
  • GIMP – editor gratuito que uso para o papel do mais conhecido Photoshop
  • Deval VR player – uso para ver os panoramas durante o processo no Windows
  • Panini – mais um visualizador, é o que uso no Unix (FreeBSD/Linux) e tem também para Windows
  • FSP Viewer – outro visualizador gratuito, disponível para Windows, Linux e Mac OS
  • Salado Player – plugin gratuito em flash que usava para postar os panoramas na internet
  • VR5 pano viewer – modelo/template/plugin gratuito que usava para postar para iPhone e iPad usando HTML5
  • Pannellum – outro plugin gratuito para HTML5, mas tem que conferir como está nos iCoisas
  • Marzipano – outra opção de publicador gratuito em HTML5
  • Panorama player comparison – te permite comparar inúmeros players para web
  • PanoVisu – publicador HTML5 em francês gratuito – amigável com editor em Java
  • SamyangFisheyeDefisher – script para remover a distorção de fotos feitas com lentes olho-de-peixe
  • Leaflet – uma biblioteca javascript gratuita feita originalmente para mapas online em camadas. Pode ser usada para fotos gigapixel. Para gerar as imagens partidas para zoom multi camada pode ser usado o VIPS.

Ferramentas comerciais que se destacam, na minha modesta opinião

  • PTGui – ferramenta para a costura de imagens, capaz também de publicar uma panorâmica única na internet
  • Autopano – ferramenta para a costura de imagens
  • Panotour – ferramenta para a criação e publicação de panorâmicas e tours virtuais na internet (é uma interface gráfica do krpano e já vem com ele)
  • Pano2VR – ferramenta para a criação e publicação de panorâmicas e tours virtuais na internet
  • krpano – ferramenta para a criação e publicação de panorâmicas e tours virtuais na internet. É a que uso.

Engenhocas e afins

Redes Sociais

Há vários grupos dedicados às panorâmicas nas redes sociais

Os fóruns são também um ótimo lugar para trocar ideias com outros fotógrafos, postar seus trabalhos e aprender muito. A vantagem deles é que guardam todo o histórico, criando uma fonte de conhecimento.

Galerias

  • Airpano.net – Grupo de fotógrafos russos sem fins lucrativos que querem mapear os principais pontos de interesse mundial com fotos 360 aéreas
  • 360 Cities – Comunidade de fotos 360 de todo o mundo
  • Ayrton 360 – Fotógrafo pioneiro no Brasil em fotos 360
  • XYZ 360 – Agência brasileira de fotos panorâmicas, 3D e afins
  • Francesas:
    • PhotoJPL – Fotógrafo francês com várias 360 interessantes da França

29 comentários sobre “Como Fazer

  1. Ola Cartolo espero que consiga uma ajuda, estou tendo dificuldades em todos os Softwares com a single imagem que a gear 360 salva, eu tava acostumado em costurar mais de uma imagem e era tranquilo, agora n consigo fazer funcionar com a gear com essas duas esfericas que ela cria, ja encontrei o conteudo do forum tentei a soluççao no hugin e nos outros, com mascara corte de outros jeitos e sempre fica estranho, onde posso encontrar mais ajuda ? n existe nenhum software que faça a costura com a img direto ?

    • Oi Lobo, como comentei lá no Facebook, acho que a forma mais prática é usar um modelo no Hugin ou outro programa. Com isso basta carregar a foto e aplicar o modelo. Se isso não der certo temos que ver exatamente como está fazendo pra tentar ver onde está dando errado. Colo aqui o trecho do post no Panoforum onde menciono o uso do modelo:
      “Outra opção é usar um modelo já pronto pra isso. Uma boa alma criou o projeto Gear 360 pano no github. O projeto visa fazer a costura de um vídeo da Gear 360, mas nele tem um arquivo modelo que pode ser usado para costurar uma foto da Gear 360. Baixe esse arquivo e, pra usá-lo como modelo basta:

      • Na janela principal (Hugin – Criador de Panoramas), na aba Fotos clique em Adicionar Imagens e adicione a mesma imagem duas vezes
      • Escolha a opção Aplicar modelo no menu Arquivo

      Isso já vai te levar ao ponto que os passos anteriores te levariam. Em tese pode mandar montar direto que já vai sair algo bem razoável, principalmente se a foto foi feita com a câmera de pé, vertical. Daí pra frente pode ser necessário fazer algum ajuste, pode tentar marcar pontos de controle próprios da foto que está tratando ou nivelar, se fez a foto com a câmera inclinada.”

  2. Boa noite..

    estava fazendo uma pesquisa sobre fotos panorâmicas no google e cheguei aqui no seu site, pelo que vi, você é analista de sistema e tem bastante experiência, além de manjar muito, vi algumas fotos suas e gostei bastante. não sei se conseguirei resolver o meu problema, mas resolvi arriscar…

    acontece que no fim do ano passado me formei em arquitetura e gosto muito da área de interiores e maquetes virtuais e recentemente aprendi a técnica de fazer fotos panorâmicas através do programa de renderização que utilizo no meu trabalho (artlantis), o problema é que a única forma de salvamento dele é em arquivos .html e não conseguir achar nenhum plugin que converta e nem consigo compartilhar meu trabalho via internet, já que o link do arquivo é uma pasta no meu computador… já tentei compartilhar pelo googledrive, me cadastrar no 360cities (só aceita jpeg ou tiff) e no site do próprio artlantis que há uma área para isso, mas nada…

    então resolvi arriscar aqui… será que existe algum plugin ou programa pra converter um arquivo .html no meu computador para alguma extensão que dê para ver a foto panorâmica? algum site? algum lugar onde possa divulgar esse tipo de trabalho meu?

    att.
    Marcos Domingos

    • Oi Marcos,

      não sei se chegou a ver também o site do Panoforum, um fórum que criei e mantenho com outros colegas para trocar ideias e informações sobre fotos panorâmicas. Talvez lá seja um lugar melhor pra conversarmos e tentar ajudá-lo, pois outros poderão opinar também.

      Arquivos HTML não são arquivos de imagem. HTML é a sigla de Hyper Text Markup Language, que traduzindo pro português significa linguagem de marcação de hiper texto. Em outras palavras, é um arquivo de texto simples cheio de códigos onde está especificada a leitura de outros arquivos, aí sim de imagens ou outras coisas, como Flash, etc. Você pode tentar olhar dentro dele pra ver o que ele chama, mas tá arriscado a não entender nada. Pode tentar anexar o arquivo lá no fórum pra gente olhar e tentar te ajudar. Se quiser tentar olhar dentro dele pra ver se acha algum arquivo de imagem (gif, jpg, png, etc) ou flash (swf) pode tentar instalar o Notepad++ e abrir seu HTML nele. Pra Windows (se é seu caso) pode pegar o notepad++ no site http://portableapps.com/apps e o programa é gratuito.

      Se o HTML apontar pra imagens possivelmente seu problema tem solução. Se apontar pra um flash (swf) já é mais difícil. Não sei se tem como extrair as imagens dele.

      Abs, Cartola.

  3. Olá! Viu as panorâmicas que enviei no seu gmail? O que achou?
    Já estou produzindo minha própria cabeça panorâmica para colocar no meu tripé.
    Espero que eu tenha entendido tudo que li pela internet.
    O ponto nodal eu entendi muito bem como funciona. Consigo fazer a panorâmica 360X180 numa boa, faço na mão, com um cabo de vassoura apoiado no ponto nodal. Quase não há erro nas emendas, acontece um ou outro muito raros.
    Depois que a cabeça panorâmica estiver pronto (acredito que hoje eu termine) vou tentar fazer as fotos para criar panorâmica 360×360.
    Infelizmente não tenho a lente olho de peixe, que tenho certeza seria muito mais fácil e rápido para mim que ainda sou bem leigo no assunto. Mas, fazer o quê né? Quem não tem cão caça com gato.
    Aguardo seu contato. Depois volto a falar com você. Grande abraço e até qualquer hora.

    • Oi Leandro, não tinha visto não, caiu nos SPAMs do Gmail, achei lá agora. Ótimas fotos na minha modesta opinião amadora. Mas realmente emendar pra uma panorâmica parcial é bem mais simples. Você vai passar por problemas que não existem na parcial ao fazer a esfera completa.

      A olho de peixe realmente reduz o trabalho, na medida que reduz o número de imagens necessárias. Você pode comprar um anel redutor pra sua lente, tipo 0.45x, que já abre mais um pouco. Por outro lado a resolução da imagem final fica menor. Depois que começar a fazer umas boas fotos pode ser que tenha interesse em permitir mais zoom, aí vai querer uma lente mais fechada.

      Veja uma nova página que comecei ontem, com um projeto de uma cabeça simples. Tá lá no menu à direita (mas devo tirar e botar aqui em “Como Fazer”. E veja também nos comentários da página “Quem sou eu” aqui do blog a troca de mensagens com o Daniel, que tem uma Sigma 8mm e não está conseguindo montar a panorâmica por não ter uma cabeça apropriada.

      Quando fizer sua cabeça mande as fotos dela. E veja também se sua lente e câmera já estão mapeadas aqui, assim poupa o trabalho de encontrar o ponto nodal:
      http://wiki.panotools.org/Entrance_Pupil_Database

      Quero ver a panorâmica também hein!

      Abs, Cartola!

        • Grande leandro, vou responder por aqui, ok? Assim possíveis dicas podem servir pra outros também, ficando on-line.

          Vi lá seu panorama: http://pradosmg.com.br/pano

          Tá bom rapá! Faltaram alguns pedaços e a versão trial deixou suas marcas, mas pelo visto ficou bem fotografada! Agora sim você caiu no que comentou inicialmente: se tivesse uma olho de peixe seria mais fácil. Com a lente mais fechada pode cair em situações em que o programa tenha dificuldades de achar os pontos em comum entre as imagens (pontos de controle). Mas isso se resolve na mão também. Você pode, pelo menos no Hugin, que é o que uso, arrastar as imagens manualmente até a posição certa. Se não tem pontos em comum, como em partes do céu por exemplo, então arrastar com a mão com pouca precisão será suficiente, pois também não haverá desencontros visuais, já que não há encontros 🙂

          Eu sempre faço os pontos de controle manualmente. No teu caso, com mais imagens, isso pode ser um saco, mas eu tentaria pelo menos uma vez. Talvez seja melhor quando tiver certeza de que tem todas as fotos sem buracos. Pode publicar também no http://www.360cities.net. Acho que é a maneira mais simples.

          Sobre programas, acho que cada um pode ter sua dificuldade. Tenho a impressão que os da http://www.kolor.com parecem bons, mas nunca usei. Acho que o hugin dá conta do recado e me atende bem. O fato é que tem muitos detalhes, técnicos, logísticos, fotográficos e sei lá mais o que nesse tipo de fotografia. O lance é meter a cara mesmo. Não tenha dúvidas de que você vai passar por diversos problemas a medida em que for fazendo as fotos. Vai aprendendo a escolher onde botar o tripé pra facilitar o nadir, lidar com movimento das pessoas, daqui a pouco vai querer HDR nas fotos, foto noturna, aérea, submarina 🙂

          Parabéns cara! Siga em frente e vamo que vamo!

          Eu tô criando um fórum sobre fotos panorâmicas, a exemplo de um que conheço em francês: http://www.panophoto.org/forums/

          O que estou fazendo está aqui: http://cartola.org/panoforum/ mas ainda vou dar uma configurada nele e botar em português. Acho que o assunto merece. Há discussões sobre panorâmicas em outros fóruns (riofotografico, brfoto, digiforum, mundofotografico, forumdigitalfoto), mas são pequenos tópicos ou se muito uma galeriazinha pra postar fotos e nem o tema é a 360×180. Não tem um lugar com discussões sobre o tema como um todo. Te aviso e te espero como um dos primeiros membros! E quem sabe um dia a gente toma uma pra comemorar!

          Grande abraço, Cartola!

        • Outra coisa que pode facilitar o programa é o uso de um template, um arquivo modelo. Depois que você fizer sua primeira completa e as imagens estiverem no lugar certo, pode usar esse arquivo como modelo, usando novas imagens. O hugin tem essa opção. Pra isso, claro, você tem que ter fotografado da mesma maneira, mesmo número de imagens e tal. Pra isso um rodador ajuda muito. Alias, ele ajuda também a não deixar buracos. Eu fiz um rodador também, não cheguei a publicar fotos dele e foi uma coisa mais complicada de fazer um pouco.

          Fica aí a ideia.

          Vejo aí mais um viciado em 360 hein! Eu ainda me emociono quando termino as minhas! Parece mágica!

          Abraços!

          • Olá Cartola! Valeu pelas respostas. É muito legal ver a sua própria panorâmica funcionando, pena que não deu muito certo. Mas foi o primeira, então, acho que tá bom!

            Esto tentando entender o Hugin, mas de cara ele me pede, dados da câmera e lente: tipo de lente, HFOV, distância focal, multiplicador de distância focal! Aí, já era, não sei nada disso.

            Aguardo um retorno seu para poder dar continuidade no aprendizado do Hugin.

            Mais tarde vou sair para fazer outras fotos, antes de começar a tomar umas, rsrsrsrs.

            Espero sua visita aqui um dia! Não sei se já acessou meu site. Prados é uma cidade turística, tem muito artesanato e o povo é muito hospitaleiro. Cidadezinha do interior de Minas 8 mil habitantes, dá para imaginar né.

            Mais uma vez, muito obrigado. Grande abraço.

          • Fale Leo! Vi lá que você se cadastrou no fórum, valeu! Ele já está bem diferente hoje, dê uma olhada. Estou achando que é uma ótima ideia ter o fórum e pra começar vou responder suas perguntas lá, ok? Veja no fórum A Técnica -> Montagem das Fotos -> Hugin

            Aqui não é muito bom pra isso, tá virando uma tripa enorme 🙂

            Grande abraço, Cartola!

  4. Olá. Obrigado pela resposta rápida. Minha câmera é uma sony h50. Tentei fazer as fotos com ela, mas não dá certo de jeito nenhum. Por isso eu gostaria de encontrar na internet fotos com a olho de peixe disponíveis para download para fazer eu poder fazer os testes. Esse desejo que tenho de entrar para o mundo das fotos 360 e não ter condições financeiras para comprar os materiais necessários, tem me deixado muito frustrado. Trabalho com informática desde meus 12 anos, hoje tenho 39. Nunca fiz um curso na vida, sempre aprendi tudo sozinho. Arrumo computadores, crio sites e ninguém me ensinou. Por isso estou tão frustrado. Não estou conseguindo aprender com câmera simples. Procurei saber como fazer um curso com o Ayrton, mas além de caro, ainda teria que me deslocar para o Rio. Não tem como, não dá para largar o emprego e a família para realizar um desejo. Já vi um vídeo no youtube que mostra que com a olho de peixe, não precisa nem de tripé, esse vídeo também está no site 360 cities. Vou procurar algum profissional da minha região que tenha essa lente e ver se ele tira as fotos para mim. Valeu! Muito obrigado e parabéns pelo site e pelos ensinamentos. Está convidado a conhecer Prados. Quando quiser aparecer por aqui é só me procurar (Léo Carvalho). Grande abraço e até mais.

    • Oi Leandro,

      eu te afirmo que é possível fazer com qualquer câmera, mas também afirmo que é muito mais fácil, tanto usando uma lente normal quanto uma olho de peixe, se você fotografar girando em torno do ponto nodal. Uma primeira coisa que você tem que entender, então, é o que é o ponto nodal. Você já deu uma olhada no material que usei para dar curso? Está aqui na página “Como Fazer”. Embora eu tenha dito isso meio que categoricamente, eu mesmo já fiz as minhas primeiras sem olho de peixe e sem uma cabeça de tripé apropriada. Apesar disso minha conclusão na época era a mesma que a sua: preciso de uma olho de peixe. Ledo engano. Mesmo com ela, se não usar uma cabeça adequada só vai dar certo em algumas situações, ou vai precisar de muita pós edição. Se for uma foto de natureza e a maioria das coisas estiver longe tem grande chance de dar certo. Se for uma foto de arquitetura num cômodo pequeno, a olho de peixe não vai resolver. É que os erros de parallax ficam maior em objetos mais perto e linhas da natureza são mais abstratas que as humanas, então algumas emendas que não dariam certo em linhas arquitetônicas dão certo numa floresta, por exemplo. Mesmo com uma olho de peixe 6.5mm não tem uma foto que eu faça e que não acerte pelo menos algum pequeno erro depois no GIMP. Veja aqui alguns vídeos que fiz para mostrar a um colega na turquia como corrigir erros no GIMP. O vídeo mostra uma situação com erros pequenos, onde usei uma olho de peixe e uma cabeça de tripé apropriada (feita por mim), mas os mesmos princípios podem ser usados para erros grosseiros. Infelizmente está em inglês, mas meu desejo é fazer em português também. Faria pra você, mas acho que você ainda está numa fase anterior.

      Eu sugeriria primeiro que você fizesse, com o hugin ou outra ferramenta que possa fazer uma 360º, uma panorâmica comum, com poucas fotos. Vou te passar um material que ainda está num rascunho com essa primeira etapa. Quero também fazer um vídeo ensinando a construir uma cabeça de tripé simples, com apenas um L de metal e uma pequena barra. Em qualquer casa de ferragens você pode encontrar uma pequena mão-francesa e usar duas delas, com uma furadeira simples, para fazer uma cabeça em casa. Veja também aqui uma série de modelos feitos em casa.

      Bom, posso tentar te orientar aos poucos, mas a coisa vai funcionar melhor se você se esforçar e eu tirar suas dúvidas, pois realmente o tema não é de todo simples nem conciso. Tem uma vasta teoria por trás e depende de tempo para aprender, ler e experimentar. Pra te animar eu também não fiz curso para aprender, mas levei alguns anos achando que me faltava equipamento, até que tomei um tapa na cara de realidade do próprio Ayrton e enfiei a cara até conseguir.

      Vamos nos falando.

      Um abraço, Cartola.

    • Oi, Cartola. Muito bom o seu material disponível para estudo!

      Eu tenho uma pergunta, sobre algo que ainda não estou conseguindo dominar direito:

      Trabalho com computação gráfica (maquetes eletrônicas 3d), e consigo reproduzir diretamente Imagens panorâmicas Equiretangulares perfeitas no software 3d. Deste modo, as uso diretamente no Pano 2VR para gerar arquivos de panorâmicas “fechados” .exe ou .swf para entrega ao cliente. Nada de publicações em sites ou online, apenas o envio do arquivo fechado para rodar via PC na plataforma windows do cliente.
      Porém, com o advento e uso cada vez maior dos tablets, especialmente os da apple, rodando iOS, estou tendo dificuldades em achar um formato fechado que possa ser lido pelo sistema dos Ipads ou Iphones. Não consigo “embededar” a imagem panoramica em algum tipo de arquivo que possa ser enviado por email, e diretamente aberto pelo usuário final. Tentei com o formato Html5, mas ele me gera um pacote de imagens (faces cúbicas) para o uso em publicação de sites. Não sei se haveria uma maneira de gerar um arquivo único para ser enviado por email, e aberto diretamente no Ipad / Iphone, com a visualização correta do panorama 360 e sua manipulação pelo usuário final.

      Teria alguma dica para me dar?

      Desde já, te agradeço.

      André

      • Oi André,

        eu realmente não conheço algo que gere um arquivo fechado para iCoisas. Poderia publicar em um site e botar senha de acesso. Não sei que tipos de restrições você quer ter no acesso, mas a publicação online realmente permite (pra quem sabe) baixar as imagens e remontá-las. Não é qualquer um que vai saber fazer isso mas é possível. Tem sites, como o 360cities.net, nos quais você pode fazer o upload de equirretangulares e eles disponibilizam online pra você. Com uma conta PRO (paga) você pode publicar para públicos restritos se não me engano. Eu uso a conta gratuita deles.

        Pode se cadastrar e postar essa dúvida lá no Panoforum (www.panoforum.com.br) também. Vai que outra pessoa conhece alguma alternativa por lá.

        Abs, Cartola!

  5. Olá. Boa noite. Tenho um site da minha cidade (Prados) e gostaria de colocar nele, panorâmicas esféricas dos pontos turísticos de Prados. Não tenho condições de comprar uma lente olho de peixe. Estou tentando conseguir patrocínio para isso. O que quero saber de você é se existe na internet algum site onde posso baixar uma sequência de fotos feita com a olho de peixe para eu poder começar a aprender o processo. Outro detalhe, tenho o autopano giga, eu consigo fazer essas panorâmicas esféricas nele? Aguardo seu contato. Muito obrigado.

    • Oi Leandro, boa noite.

      Na verdade não é necessário usar uma olho de peixe para fazer uma panorâmica da esfera completa, nem para aprender o processo. O que vai acontecer é que com uma lente com ângulo mais fechado você vai ter que fazer mais fotos para cobrir toda a esfera. Isso tem um lado bom e um ruim. O lado bom é que a resolução da imagem final vai ficar maior, a foto tende a ter melhor nitidez e permitir uma maior aproximação do usuário na interação. O lado ruim é que vai te dar mais trabalho para montar e talvez precise também de uma máquina mais potente, mas isso também vai depender da escolha do tamanho da imagem final. Ao ter a possibilidade de gerar a imagem final maior, não significa que você tem que fazê-lo. Você pode trabalhar com mais imagens e gerar uma imagem final menor. Dependendo da situação os erros de perspectiva também se multiplicarão com mais imagens. Para evitá-los você deve usar uma cabeça de tripé apropriada e bem ajustada à sua câmera e lente. Não é necessário também uma máquina profissional, dá pra fazer com uma portátil até. O mais fundamental nisso tudo acho que é a cabeça de tripé e o aprendizado dos programas e alguns conceitos.

      O autopano giga eu nunca usei, mas diria que é bem provável que ele faça a esfera completa sim. Ele e o autopano pro são da kolor, uma empresa bem conhecida no ramo e acho que dificilmente eles dariam esse mole de fazer um programa que não faça a esfera completa. Para publicar é que você precisará de outro programa, como um krpano ou um Pano2VR por exemplo, dentre diversas outras opções, como o Salado Player/Converter, que é um gratuito. Sugiro que dê uma olhada no manual do autopano giga. Se ele permitir um ângulo horizontal de 360 graus e um vertical de 180 então tens a esfera completa.

      Qualquer coisa pode me convidar para Prados também, rs rs.

      Abraços e boa sorte!

  6. pedi a um amigo para trazer, com os acessórios, vamos ver se ele consegue. Não tenho site, hospedo minhas panorãmicas no 360cities, me falta tempo e conhecimento para site próprio . Sou de Belo Horizonte, já fiz outras mas parece que a loja não colocou crédito. Depois me manda seu telefone pelo email para trocarmos umas idéias. Em tempo – achei aquela armação em cima do prédio de Ipanema uma loucura e o resultado ficou muito diferenciado da pano sem o pole.

  7. Cartola, faço panoramicas ha cerca de 3 anos e acho que estou dominando a tecnica. No entanto, me chamou a atençao uma reportagem da revista Fotografe Melhor onde o Fotografo Zé Pedro fala de técnicas e cita que utiliza um “pole” bastão que eleva a maquina em até 7 metros. Voc~e saberia me indicar onde comprar e como funciona a cabeça nestes caso? Como fotografar o nadir neste caso sem aparecer a base? Fico-lhe grato.

    • Oi Luis, tudo bem? Bem, imagino que esteja perguntando isso por que notou que também tenho o tal mastro. Em todas as fotos que posto aqui boto uma “Ficha técnica” com links para as referências. No histórico de abril, por exemplo, tem um tour virtual na Fundação Osvaldo Cruz onde usei o mastro em duas fotos. Comprei ele na nodalninja, onde eles vendem 3 mastros. O maior, que chega mais ou menos nessa altura aí, é o “Pole Series 2 Complete”. Se não estou enganado o Zé Pedro construiu mastros também, já vi uns vídeo-tutoriais dele ensinando a fazê-los, então não sei a qual ele se referiu nessa reportagem. Antes de ter esse meu atual eu cheguei a usar uma barra de ferro galvanizada de 6 metros com um parafuso de 3/8” na ponta para encaixar a cabeça. Foi numa foto que fiz do alto da torre de uma igreja em Carolina – MA. Veja lá fotos da montagem do mastro.
      O funcionamento e uso vai depender da solução final que tiver, do tipo de cabeça e lente, que vai determinar o tipo de giro necessário. Se sua lente precisar que realize apenas um giro horizontal isso facilita. Se puder escolher um piso fácil de preencher no nadir, pode dispensar a foto ali. Um asfalto, grama, areia ou concreto, por exemplo, são facilmente preenchidos depois com um “clone” no GIMP ou Photoshop. Em geral o giro horizontal é feito no mastro. Eu faço assim e preciso, dependendo da lente que uso, de um único movimento vertical, para o que amarro uma cordinha na ponta do braço da cabeça panorâmica e puxo depois que faço a primeira horizontal, com a câmera voltada pra baixo. Ao puxar a corda a câmera se volta pra cima. Se o piso for elaborado não é tanto problema. Desloque a estrutura pro lado e faça uma foto que pegue o piso naquele ponto. Como a câmera vai estar bem distante dali você configura essa imagem como outra lente para permitir outro tipo de distorção no software que usares (hugin, PTGui, …). Eu em geral prefiro fazer esse acerto com a projeção cúbica do nadir. Pode ver, por exemplo, a foto que fiz em cima do trio elétrico no carnaval.
      Outro problema é a estabilidade. No trio elétrico teve que rolar muito ajuste no GIMP, pois não teve como estabilizar e não foi possível rodar em torno do ponto nodal, daí deu erro de paralax pra dar e vender. Em geral tento resolver a estabilidade prendendo o mastro num tripé e amarrando cordas lá de cima até cada ponta da perna do tripé, mas isso tem um forte risco de forçar o equipamento e quebrá-lo, inclusive levando sua máquina abaixo, então não faça se não for meio engenhoqueiro e atleta :). Uma foto com as cordas amarradas está na que fiz do alto de um prédio. Já tive que fazer uma força uma vez, na Pedra Bonita, em que o mastro se soltou do tripé e começou a cair. Foi um sufoco, mas consegui segurar e evitar o pior.

      Espero que tenha conseguido esclarecer suas dúvidas. Mande notícias!

      Um abraço, Cartola!

      • Inicialmente obrigado pela disponibilidade de tempo para esclarecer as dúvidas, isso é raro. Fui olhar com calma os links apontados por você e fiquei impressionado pela qualidade do trabalho e dos efeitos da abertura – excepcional. Dei uma olhada no site da Nodal Ninja e fiquei com algumas dúvidas, quais sejam: o pole tem uma base que dê um pouco de estabilidade, parece que tem um pequeno braço? Tenho uma canon 5D MKII, uma lente 15mm da canon e cabeça NN5 – pelo que entendi o peso máximo recomendado é de 2k no pole, acho que meu material ultrapassa esse peso, a instabilidade seria grande e correria o risco do pole envergar ou entendi algo errado?
        Em relação a técnica da cordinha estou procurando entender porque normalmente quando ajusto a cabeça deixo apertado para não deslocar, mas pelo que entendi vou ter que deixar um pouco mais frouxo para facilitar a movimentação do braço pra cima – correto?
        Além do pole vi que tem outros acessorios para o mesmo – pole rotator 60 degree stops, External Level e Pole Tripod Adapter Type A – os quais parecem muito uteis. Pela sua experiencia entende que são acessorios essenciais?
        Fico lhe grato pelos esclarecimentos

        • Luis, primeiro obrigado pelo apoio! O mastro tem acessórios que não vem com ele, mas você pode comprar. O tal braço que comentou é útil para situações rápidas. Usei um sobre o trio elétrico e na foto na “Caminhadown”, mas ele está longe de dar estabilidade ao mastro – apenas deixa mais estável do que sem ele. O que eu tenho não comprei, fiz com uma simples barra de alumínio de uns 5mm de espessura, 4cm de largura por uns 40cm de comprimento. A minha cabeça também é caseira e não fiz o mastro por que queria um retrátil e fazer um já seria muito pro meu nível de professor pardal. Faço essas coisas por que gosto de fazer, é mais um hobby, como é a fotografia. Creio que se puder comprar estará mais bem servido e os produtos da nodal ninja são realmente de ótima qualidade. O problema acho que não é envergar, creio que o mastro aguenta bem isso sendo de fibra de carbono, acho que o pior é a máquina cair no chão. Acho que dá pra sua 5D sim, ela pesa 850 gramas, apenas 95 além da minha 60D – sem considerar um possível grip de bateria. Não sei quanto pesa a cabeça NN5, mas não deve ser mais que 1kg. Os dois maiores problemas da instabilidade são os possíveis erros de parallax, mas se sabe tratá-los depois no PS ou GIMP isso fica tranquilo, e o tempo de exposição com pouca luz, pois o bicho realmente não para, só amarrado. O quase acidente acho que foi mais imprudência minha mesmo.
          A cordinha uso nessa cabeça que eu fiz. Não sei se dá numa NN5. Eu uso um parafuso que aperta dois alumínios, então, como é um metal mole, o aperto é bom e ele cede ao puxar. A junção fica “ferida”, mas como é algo caseiro não tem problema. É fácil fazer uma cabeça com um L de uma mão francesa e uma pequena barra, principalmente se você tem uma NN5 para saber as medidas corretas. Tô pra fazer um vídeo-tutorial com isso antes de vender minha T2i. Tem gente que levanta cabeças robóticas no mastro, já vi no fórum lá do site da nodal ninja. Se você fotografar outdoor também dá pra baixar e tirar a foto zenith no final, tratando ela como outra lente. Emenda no céu é sempre mais fácil. Fiz assim na foto de Ipanema/Leblon no telhado do prédio.
          O rodador é bom, eu uso, veio de “brinde”, peguei um com passos de 45°. O adaptador acho que deve ser bom também, pensei em fazer um. mas ainda assim teria que amarrar lá de cima com os pés do tripé para evitar balanço com vento – comum em topo de prédios. O nível é que eu acho mais dispensável, principalmente se for pensar em amarrar mesmo. Numa 360 o nivelamento é meio irrelevante, já pensou nisso? Dá pra fazer com o tripé / mastro inclinado ou deitado e montar sem problemas depois. Inclinei o mastro na foto do pátio interno na Fiocruz, tanto que a visão nadir é para o vazio de 3 andares abaixo.

          Se chegar a adquirir o equipamento depois fale de suas experiências, vou gostar de saber.

          Abraços, Cartola!

          • Quem agradece sou eu pela disponibilidade. Encomendei, tão logo chegue vou tentar arrumar alguns trunques mirabolantes comos os seus, apesar de não estar a altura de suas engenhosidades, para testar todas as possibilidades do novo. Grande abraço.

          • Legal! Comprou os acessórios também? Creio que vai gostar dos produtos. Você é de onde? Suas panorâmicas estão online? Só achei uma feita na loja “Universe Imports” com crédito em seu nome 🙂

            Grande abraço, Cartola!

  8. Caro amigo Cartola,
    primeiramente parabéns pelas suas fotos 360º e pelo seu conhecimento nesta área, eu sou fotógrafo e estou querendo montar meu 1º site. Como vc tem um vasto conhecimento em fotos 360º, gostaria saber se vc pode em me ajudar na montagem do meu site. Gostaria de colocar fotos 360º no meu site, mas até agora não encontrei ninguém que monte site que saiba como funciona fotos 360º em sites. Por um acaso vc conhece alguém que faça site e que saiba como colocar essas minhas futuras fotos 360º no meu site ? Ou vc sabe como explica para a pessoa que vai montar meu como coloca essas fotos no site ?
    Deste já agradeço e mto obrigado pela atenção !!!

    • Oi Marcos,

      primeiro obrigado pelo apoio! Bem, não sei se você leu meu perfil por aqui, mas eu sou analista de sistemas e já tive várias experiências profissionais em criação de sites. Na verdade acho que talvez você não precise encontrar alguém que saiba especificamente como colocar uma foto 360 on-line. Há uma série de alternativas de como publicá-las na internet. Veja aqui nas referências o material de alguns cursos que já dei, mais pro final do material, a etapa de publicação. Ali eu mostro uma das opções, que consiste em você mesmo converter a foto final no formato equirretangular em um formato pronto para publicação. Neste caso seria necessário apenas você passar o resultado dessa conversão para seu “webmaster”. Neste material eu falo do SaladoPlayer, que é uma ferramenta gratuita, talvez pouco “amigável” para alguns, mas existem ferramentas como o Pano2VR que me parece mais adequada aos menos “micreiros”. E acho que essa etapa deve ser feita por você mesmo, e não por quem faz seu site. Ainda há arte nessa fase, você pode decidir sobre o efeito de entrada, o ponto de vista inicial, links dentro do panorama, etc. Se você quer delegar isso a outra pessoa, o ideal é que essa pessoa estivesse o mais perto possível de você, quem sabe ser de sua equipe. Acho que quanto mais interação melhor. Outra opção é usar um serviço de terceiros, como o do site http://www.360cities.net. Ali você cria uma conta e depois disso é só fazer o upload de suas fotos. Para cada foto inserida você ou seu webmaster podem pegar o link para publicar a foto em seu site. Além de facilitar sua publicação, permitindo que você a faça usando um formulário simples na internet, você pode ter maior alcance na divulgação de suas fotos, já que eles são bem conhecidos e acessados. Não vai te dar tanta flexibilidade quanto uma ferramenta usada por você, pois ali você não vai fazer seu tour virtual, botar vídeos no panorama, etc, mas pode ser uma boa opção pra começar.

      Um abraço, Cartola!

  9. Então pessoal, vou postar aqui uma resposta a uma pergunta que me foi feita em particular, de modo que o que respondo possa talvez ajudar a outros também. A pergunta foi:

    “Viva Cartola … lembra da nossa conversa aqui? 🙂 Tudo bom por ai? Olha … eu queria ver se vc poderia me ajudar a comprar o que é preciso para fazer panorâmicas imersivas … o meu aluno cadeirante tem uma 20D e queria saber se uma 10-20 mm dá bons resultados. Grande abraço e muito obrigado.”

    Oi Fernando,

    inicialmente eu recomendaria não comprar nada para experimentar o processo. Eu (e já ouvi isso de outros) sou da opinião de que o processo para montá-las envolve ainda muita computação e talvez por isso um percentual pequeno dos fotógrafos as façam.

    É possível fazer com qualquer lente, mas quanto maior o campo de visão (FOV), menos fotos serão necessárias e menor será a resolução da foto final. Dessa forma a escolha da lente depende do objetivo. A última que publiquei (salão nobre do Clube Naval) foi com uma 10-20 em 10mm, como podes ver na “Ficha Técnica” dela no meu blog. Com ela e uma câmera não fullframe (fator de corte em torno de 1.6) vais precisar de umas 16 fotos para montar o panorama.

    O equipamento mais fundamental para ter é uma cabeça de tripé que possibilite o giro da câmera em torno do ponto nodal da lente, preferencialmente no sentido horizontal e vertical. Dá pra montar uma dessas de maneira simplificada. Se tiver alguém aí com jeito para bricolagem pode tentar. Um modelo mais simples possível poderia ser feito com 2 ‘L’s de metal ou madeira. Veja também nas “fichas técnicas” do meu site as duas que já montei – nunca usei uma comercial. Aqui um link onde podes ver várias montadas por várias pessoas:

    http://wiki.panotools.org/Heads#Self_made

    Se pensar em fazer isso me fale que passo as dicas com mais detalhes.

    Mais pra cima da página (no início tem um índice) tem uma listona de vários fabricantes. O Panossauros parece ser bom (julgando apenas pela imagem) e é dos mais baratos. Já o nodal ninja é talvez o mais usado ou pelo menos o que mais ouço falar. Comprei um mastro deles e o atendimento foi excelente e a qualidade do produto impecável.

    Voltando ao teste que podem fazer sem comprar nada, chegou a ver o material dos cursos que dei? Eu recomendaria fotografar uma panorâmica na mão ou com um tripé comum. Escolha uma cena mais adequada pra isso, para evitar erros muito aparentes de perspectiva (parallax). Prefira uma cena de natureza com as coisas mais distantes. Se estiver sobre a grama ou terra ou coisas assim, mais fáceis de emendar, também vai ser mais fácil. Todos os erros de perspectiva, porém, podem ser ajustados depois num editor de imagens. Posso passar alguns macetes se precisarem, mas já tem algo no meu material do curso. O problema é que esses ajustes, se forem muitos, podem tomar algumas horas. A grande vantagem do uso da cabeça é poupar tempo, mas para experimentar o processo pode não utilizá-la.

    Mande notícias,

    Abs, Cartola!

    • Meu … só posso tirar a cartola prá vc … muito obrigado!!!! Aquele abraço daqui de Portugal!!! 🙂
      Olha … eu não sei direito o que é esse campo 9-9=null por isso coloquei um 1 pensando que a soma dá uma nota máxima possível na soma pela sua ajuda. 🙂

Deixe uma resposta para Luis Padilha Cancelar resposta

%d blogueiros gostam disto: